Seguro Desemprego para Autônomos


Seguro Desemprego para Autônomos 2016Essa vem sendo a dúvida de muitas pessoas. Pela internet, tudo o que é feito através da Previdência Social, pode aparecer em poucos minutos para você em forma de banco de dados tudo é informado pelo Ministério do Trabalho.

Essa avalanche de informações acabou cancelando o seguro desemprego de uma pessoa que contribuíam de forma autônoma. Para não deixar de receber, o carnê foi pago (Guia da Previdência Social) e o TRF determinou que o seguro desemprego deva ser pago sim e que não há motivo para o contrário.

publicidade


O benefício havia sido cancelado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) depois que o trabalhador desempregado pagou a sua contribuição de previdência individual. E é aí que muitas dúvidas surgem, quer dizer que quem pode contribuir de forma individual tem condições ou renda própria?

Seguro Desemprego para Autonomos

publicidade

Todo aquele que contribui de forma autônoma ou como individual para o INSS, por mais que consiga o benefício, pode correr o risco dele ser cancelado, mesmo havendo chances disso ser consertado na Justiça. O que acontece é que não há um consenso nos tribunais da justiça. Pelas várias regiões do país, existem muitas divergências entre as soluções desse problema.

Seguro Desemprego para Autônomos 2016: Divergências

A própria administração pública fica em dúvida, pois como o desempregado teria dinheiro para conseguir pagar a própria contribuição individual? Isso significaria que o seguro desemprego é desnecessário para ele já que ele tem renda própria.

As hipóteses são inúmeras e as suspensões e cancelamento do benefício de seguro-desemprego estão todas argumentas nos artigos 7° e 8° da Lei 7.998/1990. São elas:

  • Recusa por parte do trabalhador desempregado em assumir outro emprego condizente com sua qualificação;
  • Falsidade na prestação das informações necessárias à habilitação;
  • Fraude visando à percepção indevida do seguro-desemprego;
  • Morte do segurado; e
  • Quando o beneficiário deixar de cumprir as condicionalidades do programa, principalmente a de “não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente à sua manutenção e de sua família”.

O problema também pode ser citado, como sendo do trabalhador que como contribuinte individual, não tem previsão para autorizar o cancelamento, já que ele não trabalha com carteira assinada. Teria que contar com a boa índole do trabalhador.

Junto desse argumento a TRF da 4ª Região decidiu que não é possível que o contribuinte consiga ficar segura a um valor que consista na manutenção da sua família somente pelo recolhimento do carnê do INSS. Até porque as pessoas podem pagar a própria contribuição com o seguro desemprego.

Decisão da TRF da 4ª Região:

DIREITO ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. SEGURO-DESEMPREGO. LEI 7.998/1990. IMPOSSIBILIDADE DE CANCELAMENTO DO BENEFÍCIO EM VIRTUDE DO RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA NA QUALIDADE DE CONTRIBUINTE INDIVIDUAL. 1. No caso concreto, a controvérsia cinge-se à legalidade da motivação do cancelamento do benefício de seguro-desemprego, bem como à presença de direito líquido e certo da impetrante quando ao recebimento do benefício buscado. 2. As hipóteses de suspensão e cancelamento do benefício de seguro-desemprego estão elencados nos artigos 7º e 8º da Lei 7.998/1990, de forma que o art. 3º, V, da Lei 7.998/1990, trata dos requisitos para a concessão do benefício, dos quais se pode extrair que a hipótese de recolhimento de contribuição previdenciária como contribuinte individual não está elencada nas hipóteses de cancelamento ou suspensão do seguro-desemprego, de forma que não é possível inferir que a impetrante percebe renda própria suficiente a sua manutenção e de sua família a partir deste recolhimento. 3. Conforme depreende-se das peças processuais, verifica-se que a impetrante preencheu os requisitos necessários ao recebimento do seguro-desemprego, sendo assim, o cancelamento do benefício mostra-se ilegal. 4. Provimento da apelação.

publicidade